Três livros imperdíveis

Tenho lido pouco; uma pena. E toda vez que me policio para que essa prática nada saudável seja abandonada – a de trocar a leitura pela internet ou pela TV – mergulho de cabeça em algum livro que, se não me pega de jeito, acabo abandonando para procurar algo mais engrandecedor. Sim, não sou daquelas que lê um livro até o final mesmo não tendo gostado desde o primeiro capítulo. Não consigo. Felizmente, graças a recomendações de amigos de bom gosto, dicas de vlogs de literatura e, principalmente, meu sexto sentido que aflora enquanto escaneio uma livraria na busca da próxima compra, tenho tido ótimas experiências com livros. Aqui, listo os três melhores livros que li nos últimos tempos (cerca de um ano), e as razões para não deixar de lê-los.

3. EXTREMAMENTE ALTO & INCRIVELMENTE PERTO, de Jonathan Safran Foer

O livro foi lançado em 2005 e, no Brasil, em 2006, pela Editora Rocco. Eu só tive contato com ele no ano passado, quando um amigo o indicou fervorosamente, e quando a adaptação para o cinema já estava em fase de pós-produção. Não gosto de ter nenhum contato com nenhum material de divulgação de um filme que foi adaptado de um livro que vou ler, antes de lê-lo. Por azar, isso aconteceu (não me lembro como). Sabe quando você tenta não pensar no ator quando lê sobre o personagem, mas não consegue, é mais forte que você? Pois é. No entanto, para minha surpresa, depois de terminar de ler, assisti ao filme e gostei. Considero Stephen Daldry (O Leitor, As Horas, Billy Elliot) um diretor competentíssimo, mas não esperava que ele se saísse tão bem quanto saiu – esperava uma bomba, para ser mais exata. O filme não é uma obra-prima, mas é uma boa adaptação.

Sinopse: Oskar Schell é um garoto excepcionalmente inteligente de 9 anos de idade, morador de NYC, que perdeu o pai – e grande amigo e mentor – no ataque às Torres Gêmeas, em 11 de Setembro de 2001. Principal narrador, Oskar acha uma chave guardada nas coisas do pai e parte em busca da fechadura que ela abrirá, esperando que isso lhe traga respostas e o aproxime do pai. Paralelamente, terá de lidar com a distância que criou da mãe, os segredos da avó paterna e seu inquilino, um senhor para quem a avó aluga um quarto.

MOTIVOS PARA NÃO PERDER:

1. Essa é uma história emocionante, do tipo que extrai lágrimas, soluços e risos em 50% do tempo. Nos outros 50%, você está intrigado demais para extravasar qualquer sentimento.

2. A forma como Foer difere a escrita de Oskar, seu avô e sua avó é belamente realizada.

3. O projeto gráfico do livro é de babar. Nada é gratuito ou desnecessário. As fotos, imagens, etc do livro são parte da narrativa.

nota: Minha edição foi comprada em janeiro desse ano, na livraria Cultura. Como li somente alguns meses depois, já não tinha nota fiscal. Quando cheguei na página 320, ela pulava para a 353. Solicitei a troca para a Editora Rocco por email, que me respondeu apenas 4 dias depois, informando que eu deveria enviar meu livro pelo correio para análise e que eles não pagariam a postagem. Comprovado o defeito, eles enviariam uma nova cópia. Fiquei indignada e entrei em contato com o Procon, que me informou que o custo da postagem deveria, sim, ser pago pela editora. Respondi o email do departamento comercial da Rocco e eles solicitaram que eu enviasse fotos da capa e das páginas se fosse mais conveniente – eles já tinham recebido outras reclamações e não tinham feito nenhum recall.  Cerca de uma semana depois, recebi o livro pelo Sedex. Fica o aviso: chequem o livro caso queiram comprá-lo. Acredito que as edições a venda não estejam mais com esse problema, mas vale checar. Fiquei duas semanas roendo os dedos a espera do livro para terminar a leitura e morrendo de raiva da Rocco.

2. PRECISAMOS FALAR SOBRE O KEVIN, de Lionel Shriver

Precisamos Falar sobre o Kevin (2003) é o oitavo romance de Shriver, mas apenas o segundo publicado no Brasil (2007), pela Editora Intrínseca. Não conhecia a autora e nunca tinha ouvido falar desse livro, até me deparar com ele exposto na livraria (se não me engano, a Livraria Cultura do Conjunto Nacional em São Paulo, mais conhecido como paraíso na Terra). As capas da Intrínseca geralmente são boas, e essa não é exceção. Se não posso classificá-la como bonita, posso dizer que é intrigante. Um livro não se julga pela capa, mas às vezes dá certo. Uma vez mergulhado na trama, você não consegue sair. Se não tivesse 464 páginas – e eu não chegasse tão cansada em casa todos os dias – seria de ler em duas sentadas no máximo.

O filme de Lynne Ramsay é visceral e sinestésico, como não poderia deixar de ser. Mas é praticamente impossível transmitir para a tela a força que o livro tem. Vale assistir, mas nunca antes ou em detrimento do livro.

Sinopse: Eva Khatchadourian é a mãe de Kevin, que um dia antes de completar 16 matou e feriu colegas de escola e encontra-se preso no momento em que se inicia a narrativa. Através de cartas, Eva relata ao seu ex-marido, Franklin Plaskett, suas memórias desde o início do casamento, até o dia fatídico.

MOTIVOS PARA NÃO PERDER:

1. A escrita de Shriver é envolvente e precisa.

2. Os relatos de Eva inspiram, de forma corajosa, reflexões importantes sobre a maternidade e a educação.

3. É uma história emocionante e poderosa, do tipo que faz você demorar a se levantar e recuperar o fôlego depois da última página.

1. UMA FRAÇÃO DO TODO, de Steve Toltz

O livro de 2008 foi publicado no Brasil em 2011, pela Editora Record. É o romance de estreia de Steve Toltz, e foi finalista do Man Booker Prize. Foi amor à primeira vista. Novamente em um dos meus passeios por livrarias, me deparei com esse bitelo de capa linda e 658 páginas, exposto na seção de lançamentos. Como sempre, li a quarta capa, a orelha e, por fim, o último parágrafo. Vendido. (Quando cogito a compra de um livro do qual nunca ouvi falar e de um autor que desconheço, se o primeiro parágrafo não me disser nada, não levo.)

Sinopse: Jasper Dean é o narrador principal dessa saga, que se passa na Austrália, mas viaja para Paris, Tailândia e vai e volta no tempo. Seu odiado pai, Martin Dean é o segundo narrador. A relação complexa dos dois os fará viver o inusitado, como foi também a vida de Martin quando Jasper ainda não existia.

MOTIVOS PARA NÃO PERDER:

1. Toltz escreve como veterano. Não há no livro o que tirar nem o que pôr.

2. Por vezes divertido, por vezes triste, por vezes eletrizante; mas sempre intenso.

3. Uma das melhores histórias que li na vida.

E você? Quais são os melhores livros que você leu nos últimos tempos?

Anúncios

4 Respostas para “Três livros imperdíveis

Se você gostou ou não, concordou ou não e se tem uma lista que gostaria de compartilhar, deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s